“Produto midiático” é desenvolvido pelos acadêmicos de Jornalismo

25 06 2008

O produto midiático é um programa desenvolvido pelos acadêmicos de jornalismo a partir do quinto período na disciplina de Telejornalismo II. O projeto inicial começou a ser produzido voluntariamente pela primeira turma do curso em 2002.

O desenvolvimento do produto possibilita aos acadêmicos passarem por todas as etapas do telejornalismo, como: produzir matérias, apresentar o programa, ser cinegrafista e aprender edição.

O produto midiático é produzido a partir das discussões entre acadêmicos e professor no início da disciplina. Após elaborado uma linha editorial para o programa, que são as idéias da turma, o que vão trabalhar durante o programa, como: entrevistas, matérias, crônicas, debates; o programa começa a ser gravado.

O primeiro produto levou o nome de Almofada. Em seguida veio Preto no Branco, Diferente, Palavras com Café, Lado B e o que está sendo gravado agora é o Destilado. Esse último programa é bem descontraído, com reportagens bem elaboradas e aprofundadas sobre diferentes assuntos. Tem também as crônicas que são apresentadas uma por programa.

O Destilado conta com a participação de um convidado para a entrevista que fala um pouco sobre a sua vida, comenta sobre a reportagem e a crônica exibida.

A professora de telejornalismo, Ilka Goldschimit, auxilia na produção do programa e diz que o produto é de grande valia para os acadêmicos: “O produto midiático de TV representa para os alunos a possibilidade de criar, de produzir e veicular um programa jornalístico da maneira mais experimental possível. É um momento ímpar no ensino de telejornalismo, porque a partir desta experiência o futuro jornalista vivencia todas as etapas de produção desde a definição da linha editorial, do formato, do cenário, da vinheta, a produção (com reportagens, bancada e edição final) até o que é fundamental para o trabalho jornalístico que é o retorno do público – o feedback”.

O produto midiático sempre teve espaço de 20 minutos e é veiculado pela TV Unochapecó no canal 15 da TV a cabo. O programa Destilado ainda não foi ao ar mas será exibido: das 12h às 14h; das 19h às 21h e das 23h à 1h da madrugada.

Bruna Deitos e Fernanda Dreier apresentando o programa Destilado





Estação Literária nas ondas do Rádio

25 06 2008

Acadêmicos do curso de jornalismo da Unochapecó estão participando, de forma voluntária, da Feira do Livro que está acontecendo no Centro de Eventos Plínio Arlindo de Nês. Uma rádio interna foi criada e instalada para levar aos visitantes da feira e expositores a boa música e informação.

Estação Literária é o nome da rádio que está no ar todos os dias das 14h às 22h na Feira do Livro. Segundo a coordenadora do ação, professora Mariangela Torrescassana, o objetivo é a valorização da cultura através da Unochapecó. Além deste quesito, a professora afirma que é uma opotunidade para que os alunos tenham espaço de experimentação e um espaço de convivência com o mercado.

“É um espaço de troca de conhecimentos e experiências humanas com um público mais seleto”, afirma Mariangela.

A Rádio Estação Literária, produzida e apresentada pelos acadêmicos do curso de jornalismo apresenta uma programação diferenciada com entrevistas, dicas de livros, cobertura de lançamentos de livros e a boa música clássica e a Música Popular Brasileira para combinar com o ambiente literário. A Rádio está no ar, na Feira do Livro, até o próximo domingo, 29.





Já no primeiro período

25 06 2008

No primeiro período de faculdade de jornalismo os alunos ainda não estão muito entrosados com o curso, não conhecem os laboratórios e sentem falta de produzir trabalhos em outras áreas que não seja a redação para o impresso. Para dar novas alternativas aos calouros e impulsionar a turma com um trabalho diferenciado, a professora Mari Spessatto coordena, na disciplina de Língua Portuguesa I, uma produção que visa transformar um discurso escrito em outras formas de linguagem como vídeo, fotografia, música, radionovela e quadrinhos. A turma que hoje está no quinto período trabalhou com A Metamorfose de Franz Kafka e no ano passado o texto foi O amor é uma Falácia de Max Shulman.

Neste semestre a turma do primeiro período reinventou o conto Um discurso sobre o método de Sérgio Sant’Anna, baseada na obra de mesmo nome do filósofo René Descartes. “O trabalho possibilitou diversas leituras sobre um mesmo texto e possibilitou trabalhar com áreas novas, para mim a Tv”, comentou a estudante Camila Arruda que produziu o vídeo Um discurso sobre o método junto com Alexssandra Mezomo, Julherme Pires, Neusa de Carvalho, Rafaela dos Santos e Thiago Zaboenco. Confira:





Atualidade e interatividade são temas de discussão

29 05 2008

No último dia 16 de maio, uma aula interdisciplinar envolveu os acadêmicos do primeiro, terceiro, quinto e sétimo períodos de Jornalismo. As disciplinas Sociologia da Comunicação, Técnica de Reportagem e Entrevista II, Edição Jornalística e Teorias do Jornalismo trouxeram os pioneiros de um site jornalístico de Chapecó.

De acordo com o professor de Teorias do Jornalismo e coordenador do curso, Jorge Arlan, o objetivo foi discutir com os alunos a interatividade e instantaneidade que a era digital proporciona. Os responsáveis pelo portal de notícias DeFato falaram sobre as dificuldades financeiras, o público-alvo e a seleção de notícias.





Gabriela: a caloura que não gosta de ficção

29 05 2008

“Quando nascem, alguns começam a comer, outros não; a seguir, alguns vão cedo para a escola, outros não. (…) Dos que nasceram em berço pobre, quase nenhum vai garantir ascensão social por meio do diploma; a probabilidade é igual à de ganhar na loteria”, disse Cristóvam Buarque no livro preferido da caloura Gabriela.

Ela que veio de Coronel Freitas, é filha única do seu Itamar e da dona Geneci Casarotto Daniel. Segundo a certidão de nascimento, ela tem 18 anos e herda o mesmo sobrenome dos pais.

Além do livro “O Berço da Desigualdade”, de Cristóvam Buarque, e de Sebastião Salgado, ela adora ler sobre fotografia e não curte ficção. Sua música preferido é “Quase sem querer”, da Legião Urbana, e seu lugar preferido é a praia. Na hora do vestibular optou pelo jornalismo por se identificar com o curso.

Dormir é o esporte da Gabriela! Sente saudade da infância, torce pro time gaúcho que tá de férias e seu maior sonho é ser feliz! Ah, a festa de aniversário rola no dia 10 julho, anotem aí!





Formandos correm contra o tempo no desenvolvimento dos TCCs

5 05 2008

Conforme encontro coletivo sobre os Trabalhos de Conclusão de Curso (TCC), a maioria dos alunos se encontra na fase de levantamento de dados, entrevistas e questionários. Depois disso, eles se dedicarão às análises das pesquisas e às conclusões que chegaram.

A defesa dos trabalhos ocorre dos dias 23 a 27 de junho. Os alunos correm contra o tempo já que também estão preparando os Projetos Experimentais (PEX). De acordo com o coordenador de TCCs Jorge Arlan de Oliveira Pereira, a maioria dos formandos deu prioridade ao desenvolvimento dos PEXs.

Os alunos, ao final da pesquisa, precisam construir um artigo, que no início do próximo ano serão reunidos em um livro científico. “É importante que eles tenham consciência de que a realização de um bom TCC representa um grande avanço nos seus conhecimentos individuais e uma contribuição ao conhecimento coletivo”, afirma o coordenador.

Ele afirma ainda que os TCCs apresentam temáticas bem interessantes e com diversidade de conteúdo. “Espero que o resultado final das pesquisas confirme nossas expectativas”, conclui.





PEX e TCC: a inclusão das mulheres nos programas de rádio

5 05 2008

O projeto experimental (PEX) da acadêmica de jornalismo Cristiane Rosset é um produto midiático composto por um programa de rádio e material impresso. Pensando em um futuro melhor e nas conseqüências que o homem vem causando ao planeta terra, Cristiane tem como tema do seu projeto “Meio Ambiente e preservação nas ondas do rádio”.

O objetivo do trabalho é conscientizar as pessoas sobre certos cuidados que devem ser tomados no dia-a-dia para que o futuro dos descendentes seja preservado e que tenham qualidade. Este tema vai ser desenvolvido através de um programa de rádio.

A acadêmica conta que a maior dificuldade para a realização do trabalho é a falta de tempo para realizar as pesquisas. Cristiane trabalha em uma emissora de rádio em Chapecó e tem muitas atividades para desenvolver fora da sala de aula e por isso a falta de tempo esta sendo o seu maior inimigo.

Ao mesmo tempo, Cristiane está realizando o trabalho de conclusão de curso (TCC) e o tema do trabalho é “A VOZ FEMININA NAS ONDAS DO RÁDIO: A presença das mulheres nas emissoras de rádios de Chapecó”. O assunto abordado é a participação da mulher como locutora/apresentadora de programas de rádio e a acadêmica conta ainda que sua maior dificuldade está sendo a pesquisa de campo.

Para Cristiane, o tema foi escolhido pelo fato dela trabalhar em uma rádio, por ser mulher e por ter a oportunidade de produzir um material de pesquisa sobre algo que é tão importante, que são as conquistas das mulheres.

O objetivo principal do TCC é saber um pouco mais de como se deu essa participação da mulher no meio rádio, os preconceitos, os desafios enfrentados e suas vitórias e derrotas nos dias atuais. Além de produzir uma pesquisa para que posteriormente mais pessoas tenham acesso a esse tipo de informação, visto que, pouco material referente ao trabalho feminino nas rádios chapecoenses foi encontrado.