Estação Literária nas ondas do Rádio

25 06 2008

Acadêmicos do curso de jornalismo da Unochapecó estão participando, de forma voluntária, da Feira do Livro que está acontecendo no Centro de Eventos Plínio Arlindo de Nês. Uma rádio interna foi criada e instalada para levar aos visitantes da feira e expositores a boa música e informação.

Estação Literária é o nome da rádio que está no ar todos os dias das 14h às 22h na Feira do Livro. Segundo a coordenadora do ação, professora Mariangela Torrescassana, o objetivo é a valorização da cultura através da Unochapecó. Além deste quesito, a professora afirma que é uma opotunidade para que os alunos tenham espaço de experimentação e um espaço de convivência com o mercado.

“É um espaço de troca de conhecimentos e experiências humanas com um público mais seleto”, afirma Mariangela.

A Rádio Estação Literária, produzida e apresentada pelos acadêmicos do curso de jornalismo apresenta uma programação diferenciada com entrevistas, dicas de livros, cobertura de lançamentos de livros e a boa música clássica e a Música Popular Brasileira para combinar com o ambiente literário. A Rádio está no ar, na Feira do Livro, até o próximo domingo, 29.





Terceiro período faz a cobertura do Seminário de Atualidades

23 04 2008

Nesta edição do Seminário de Atualidades, a turma do terceiro período de jornalismo fará a cobertura do evento. Eles produzirão matérias sobre as palestras, apresentações artísticas e um panoroma geral sobre os assuntos tratados no seminário, cujo tema é “As expressões marcantes na literatura, na música e no cinema brasileiro”.

Diariamente participantes do evento receberão uma publicação em formato A4, frente e verso, com a programação e as informações mais importantes do dia anterior. A primeira edição, a ser distribuida na terça-feira, dia 22 de abril, por exemplo, fará um breve histórico de outras edições do Seminário de Atualidades. Esse trabalho é coordenado pela professora de Planejamento Gráfico, Mariângela Torrescasana.

Depois do seminário a idéia é fazer um jornal com oito páginas e aprofundar as discussões sobre literatura, música e cinema. Mais uma vez com o objetivo de promover a interdisciplinaridade, participarão neste projeto as matérias de Redação Jornalística e Fotografia.

“Pegar ritmo de um jornal diário, fazer um trabalho diferenciado e, até mesmo, motivar os alunos a assistir o seminário” – para Aline Matte, do terceiro período, estes são os motivos deste trabalho ser tão interessante. De acordo com a professora Mariângela, a cobertura do seminário de atualidades também será importante para os alunos colocarem em prática os conteúdos, além de ajudar na capacidade de síntese dos estudantes e em como trabalhar em equipe.





Seminário de Atualidade 2008: um espaço para discussões no curso de jornalismo

23 04 2008

Discutir questões da atualidade que possam ser geradoras de conhecimento e ouvir diversas opiniões sobre um mesmo tema são fatores importantes na vida de qualquer “aspirante” a jornalista. O Seminário de Atualidade, promovido anualmente pelo curso de Jornalismo, procura sempre trazer aos acadêmicos a possibilidade para este tipo de aprendizado.

A edição deste ano inicia no dia 22 de abril. Terá como foco para as discussões o tema “As expressões marcantes na literatura, na música e no cinema brasileiro”. Para o primeiro dia estará presente o palestrante Maurício Monteiro, professor de Música do Conservatório Musical do Brooklin, que vai falar aos presentes sobre “Música e brasilidade: do lundu ao funk”. No dia 23 as discussões apóiam-se em dois temas: “Um cenário do cinema no Brasil: raízes, impactos e perspectivas” e “O significado de Glauber Rocha para o cinema brasileiro”, com o sociólogo e professor universitário Sérgio Santeiro. Para este dia também está programada a exibição de filmes curta-metragens para posterior discussão sobre conteúdo e forma.

No terceiro dia, além da palestra “Obras que disseram o Brasil”, com o escritor Paulo Seben, haverá o painel “Expressões marcantes: outros olhares” com a participação do professor de letras da Unochapecó Valdir Prigol, do teatrólogo Avito Darci Correa e do especialista em cinema João Fernando Lucas.

O último dia encerra o cronograma do Seminário com a explanação da jornalista e mestre em Antropologia Social Cláudia Lago, que falará sobre “O ethos romântico do Jornalismo percebido pelo cinema”.

Todas as discussões acontecem no auditório do bloco G e iniciam às 8h. É válido lembrar que a participação dos acadêmicos de jornalismo é indispensável uma vez que é obrigatória para conclusão do curso e recebimento do diploma.





Vida Blue no Expocom

16 04 2008

O curta “Vida Blue”, produzido na disciplina de Telejornalismo III, em 2007, foi enviado à Exposição da Pesquisa Experimental em Comunicação da Região Sul – Expocom Sul 2008, na categoria cinema e vídeo.

Pela primeira vez, foi realizado no laboratório de TV da Unochapecó um vídeo de animação. Com roteiro e produção do estudante de Jornalismo Tiago Franz e arte de Ismael Franz, o curta mostra a solidão e rotina na cidade grande e o aconchego e fuga na música, mais especificamente no blues. A trilha, inclusive, é original e foi composta e gravada pelos irmãos Franz.





Atrasado, mas tá valendo.

10 04 2008

É tão engraçado como quase tudo, menos jornalista, vira notícia. Alguns lembraram sim, até deram um tapinha nas costas daquele colega e blábláblá. E não falo de comemoração, mas de um momento de reflexão pessoal sobre o real papel que estamos, ou que deveríamos, ou que vamos cumprir como jornalistas e formadores de opinião.

No dia 7, foi comemorado um dos nossos três dias comemorativos (eita gente que se sente importante), o Dia do Jornalista.

A data foi estipulada pela Associação Brasileira de Imprensa (ABI) em homenagem ao jornalista e médico João Batista Líbero Badaró, morto em São Paulo, em novembro de 1830, por inimigos políticos. Curiosamente, o Dia do Jornalista é também comemorado no dia 24 de janeiro, por ser a data do padroeiro da profissão, São Francisco de Sales, e no dia 29 de janeiro, como homenagem ao jornalista José do Patrocínio. Com tanta data comemorativa, tá na hora de fazer acontecer, não acham?

Quem sabe é hora de olhar por cima da superficialidade da imprensa em geral, estudar novos focos, quem sabe criar motivação para fazer um jornalismo de humildade e de respeito. Talvez seja um bom momento para descer do palco, deixar de sonhar com o estrelato e usar e abusar dos espaços democráticos que estão no alcance de nossas mãos para tratarmos de causas que realmente importam.

Atrasado, mas cheio de boas intenções, aí vai o nosso parabéns a todos os jornalistas e futuros colegas de profissão.





Palestra com editor chefe do Diário Catarinense na Unochapecó

28 03 2008

tomas21.jpgAcontece na próxima segunda-feira, 31/03, às 9 horas, palestra com Claudio Thomas, editor-chefe do Diário Catarinense.

Thomas trabalha desde 1998 para o Grupo RBS e trouxe para o DC experiências bem-sucedidas como o trabalho no jonal Pioneiro, de Caxias do Sul (RS), quando fez uma renovação visual e de conteúdo e treinou uma equipe inteira de jornalistas. No período em que está no jornal catarinense, Thomas promoveu uma série de inovações que consolidaram o jornal como líder de circulação no Estado.

A palestra será no Auditório do bloco G da Unochapecó. A entrada é direcionada aos alunos do curso de Jornalismo, mas esta aberta a toda a comunidade interessada. A entrada é franca.





Oficina de Telejornalismo

6 03 2008

Durante toda a semana passada, de 25 à 29 de fevereiro, 22 alunos do curso de Jornalismo da Unochapecó participaram da oficina de Linguagem para Telejornalismo, ministrada por Cléberson Silva.

Cléberson é egresso do curso e já trabalhou como repórter e apresentador da RBS TV e da Record. No decorrer da semana, Cléberson repassou informações a respeito das técnicas do telejornalismo, falou sobre a estrutura das emissoras e sucursais de TVs no estado e também deu dicas sobre o dia-a-dia corrido da redação de um telejornal.

Na quinta-feira, os alunos tiveram a oportunidade de colocar em prática um pouco do que aprenderam na oficina. A experiência foi simular um telejornal ao vivo, com matérias produzidas pelos participantes, sob a orientação de Cléberson.

Bruna Deitos, acadêmica do 5º período, está cursando a segunda cadeira de telejornalismo e afirma ter gostado da oficina porque, além de ter reforçado o que está aprendendo em sala de aula, também oportunizou a vivência da rotina do telejornal. ” Pudemos aprender na correria como é o dia-a-dia na redação e também descobrimos funções novas, funções que não sabíamos a qual personagem dentro do telejornal cabe”, diz.