PEX e TCC: a inclusão das mulheres nos programas de rádio

5 05 2008

O projeto experimental (PEX) da acadêmica de jornalismo Cristiane Rosset é um produto midiático composto por um programa de rádio e material impresso. Pensando em um futuro melhor e nas conseqüências que o homem vem causando ao planeta terra, Cristiane tem como tema do seu projeto “Meio Ambiente e preservação nas ondas do rádio”.

O objetivo do trabalho é conscientizar as pessoas sobre certos cuidados que devem ser tomados no dia-a-dia para que o futuro dos descendentes seja preservado e que tenham qualidade. Este tema vai ser desenvolvido através de um programa de rádio.

A acadêmica conta que a maior dificuldade para a realização do trabalho é a falta de tempo para realizar as pesquisas. Cristiane trabalha em uma emissora de rádio em Chapecó e tem muitas atividades para desenvolver fora da sala de aula e por isso a falta de tempo esta sendo o seu maior inimigo.

Ao mesmo tempo, Cristiane está realizando o trabalho de conclusão de curso (TCC) e o tema do trabalho é “A VOZ FEMININA NAS ONDAS DO RÁDIO: A presença das mulheres nas emissoras de rádios de Chapecó”. O assunto abordado é a participação da mulher como locutora/apresentadora de programas de rádio e a acadêmica conta ainda que sua maior dificuldade está sendo a pesquisa de campo.

Para Cristiane, o tema foi escolhido pelo fato dela trabalhar em uma rádio, por ser mulher e por ter a oportunidade de produzir um material de pesquisa sobre algo que é tão importante, que são as conquistas das mulheres.

O objetivo principal do TCC é saber um pouco mais de como se deu essa participação da mulher no meio rádio, os preconceitos, os desafios enfrentados e suas vitórias e derrotas nos dias atuais. Além de produzir uma pesquisa para que posteriormente mais pessoas tenham acesso a esse tipo de informação, visto que, pouco material referente ao trabalho feminino nas rádios chapecoenses foi encontrado.





PEX: Hora de mostrar habilidades jornalísticas

17 04 2008

Os formandos desse semestre estão desenvolvendo ao todo oito Projetos Experimentais (PEXs). Os temas são variados e incluem rádio, vídeo, impresso, assessoria de imprensa e projeto editorial. As bancas serão de 16 a 21 de junho. Os alunos devem entregar os projetos até dia 13 do mesmo mês.

Junto aos PEXs, os formandos deverão entregar um relatório sobre todo o processo de produção. De acordo com a professora Ilka Goldschmidt, coordenadora dos projetos, “a intenção é possibilitar ao aluno justificar, argumentar as decisões editoriais, jornalísticas tomadas ao longo do processo e refletir sobre as etapas e o ‘produto’ final”.

Os alunos se encontram na fase de produção. Eles também estão envolvidos no desenvolvimento dos Trabalhos de Conclusão de Curso (TCCs) e, por isso, estão em uma luta contra o tempo para que tudo ocorra da melhor maneira possível.

A professora Ilka aconselha que os formandos se dediquem e deêm o máximo de si. “É hora de mostrar como as habilidades técnicas e discursivas adquiridas e desenvolvidas ao longo do curso podem determinar um trabalho de excelência jornalística”, conclui.





TCC: A condição do mendigo na sociedade chapecoense, segundo editorias do jornal Folha D’Oeste

3 04 2008

O trabalho de conclusão de curso (TCC) e também o Projeto Experimental (PEX) da acadêmica Ana Paula Eckert, do nono período, é analisar uma coluna no antigo jornal Folha d´Oeste, veiculado em Chapecó no período de 1966 a 1968. O nome da coluna era “Escritas de Tutée”, que falava sobre a vida dos mendigos chapecoenses.

Tutée era um mendigo e a coluna no jornal recebeu esse nome para criticar as pessoas que moravam nas ruas. Nos anos de veiculação do jornal, Chapecó, em pleno desenvolvimento, ficou conhecida como Cidade das Rosas. As críticas aos mendigos se davam porque a cidade não queria seu lado negativo exposto em praça pública.

A coluna, que se diz ser escrita pelo mendigo Tutée, é o tema central da pesquisa, baseada em análise do discurso. O objetivo do trabalho para a acadêmica é de fato saber como o mendigo era retratado perante a sociedade, analisar os editoriais para saber se Tutée era quem escrevia para a coluna ou se era um personagem que o jornal usou para criticar essas pessoas. Além disso, entender o que a coluna “Escritas de Tutée” realmente queria dizer e analisar o pensamento do jornal.





Assessoria de imprensa é tema de PEX

3 04 2008

A acadêmica Larissa Damian está desenvolvendo, em seu Projeto Experimental, um plano de assessoria de imprensa para a administração pública da cidade de Bom Jesus (SC). Segundo Larissa, a escolha do município se deu em virtude de Bom Jesus não ter assessoria de imprensa.

O objetivo do projeto é mostrar que municípios de pequeno porte têm informações para uma assessoria e que esta consegue melhorar a relação da imprensa com a administração pública, bem como a comunicação interna do órgão. Ao final do PEX, a acadêmica busca encontrar meios alternativos de comunicação para o município.

Segundo Larissa, a experiência de desenvolver o projeto experimental está sendo ótima e sem dificuldades. “Os funcionários da prefeitura têm me ajudado bastante, além de eu ter um ótimo relacionamento com os meios de comunicação da região”, finaliza.





PEX: Acadêmica em busca da essência do jornalismo

3 04 2008

Um fanzine com abordagem política e social é o Projeto Experimental (PEX) da aluna Petra Sabino da Silva. Com linguagem opinativa dividido em pequenos textos, ela pretende que o fanzine aborde temas que a mídia tradicional deixa passar.

“O circo”, nome dado ao fanzine, foi inspirado no “Pitoco”, que circula na cidade de Cascavel, no Paraná. Lá, o fanzine existe há dez anos, é o mais caro e o mais vendido do estado. O PEX da aluna inclui projeto gráfico e editorial.

O objetivo é que ele não possua nenhum tipo de influência política. “Se tiver que falar mal de alguém num dia e bem no outro, vai ser feito”, afirma Petra. Para ela, essa é a essência do jornalismo: cobertura jornalística sem dependência política.

O grande desafio ainda estar por vir. Ela pretende que a comunidade interaja com “O Circo”, através de reuniões de pauta, mas ainda não sabe como serão realizadas. O fanzine terá quatro anúncios em cada edição.





PEX e TCC: Histórias do rádio

24 03 2008

radio

O Projeto Experimental (PEX) e o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) que as acadêmicas do nono período Fabiana Kollett e Deisi Cassol vão apresentar trata da história do rádio no oeste de Santa Catarina.

O PEX que está sendo desenvolvido é um um vídeo-documentário dividido em quatro programetes e se intitula “Histórias pitorescas do rádio no oeste catarinense”. De acordo com Fabiana, as rádios que estão estudando estão entre as mais antigas do oeste: a Chapecó AM e a Rural AM, de Concórdia.

O primeiro programete vai falar sobre a história do rádio e as primeiras transmissões. Os anúncios e as radionovelas vão fazer parte do segundo. Já o terceiro trata das concessões e dificuldades. O último fala da cobertura do esporte.

A formanda explica que o documentário ainda está sujeito a alterações, porque caso não haja tantas histórias engraçadas referente a um programete, ele será cortado do documentário. Fabiana conta que o terceiro, que fala sobre as concessões, é o que mais está sujeito a alteração.

O PEX vai ser apresentado em junho, ainda sem data definida. Fabiana conta que a maior dificuldade foi conseguir arquivos em áudio. “Daria mais dinamismo ao documentário, mas a rádio de Concórdia não tinha e a de Chapecó tinha poucos”, esclarece. Agora, o método encontrado para compensar essa falta de arquivos de áudio vai ser os depoimentos dos profissionais de comunicação das rádios.

Já o TCC das alunas possui outra abordagem. As acadêmicas tratarão sobre o pioneirismo do rádio no oeste catarinense. Para isso, além da Chapéco AM e da Rural AM, de Concórdia, vão ser entrevistados os empresários da Catarinense, de Joaçaba.

Os assuntos abordados vão ser as concessões e renovações, a programação, os anúncios, a viabilidade financeira e o desenvolvimento das rádios no decorrer dos anos. Fabiana conta que a parte mais complicada na realização do TCC é a parte de fundamentação teórica, por causa do material de referência.





A influência da mídia no comportamento das crianças

13 03 2008

Penélope Charmosa A acadêmica do 9º período do curso de jornalismo Letícia Farias aborda em seu PEX a influência da mídia na vida e comportamento das crianças. O alicerce desta pesquisa é o salto alto, que protagoniza o visual das mocinhas em desenhos animados como Penélope Charmosa, As Três Espiãs, As Meninas Superpoderosas e outros.

O objetivo é alertar os pais com relação ao que os filhos estão vendo na TV, que pode influenciar em suas atitudes, já que as crianças não têm discernimento para interpretar de uma maneira correta as informações que chegam por meio da mídia.

Um exemplo, segundo Letícia, é de uma menina de 5 anos que via os personagens de desenhos animados se beijando e passou a ter as mesmas atitudes.

A idéia do documentário partiu de uma pesquisa do curso de Pedagogia e o objetivo agora é colocá-la no vídeo através de bonecos e animações.

As três espiãs“Este objeto de pesquisa é uma maneira de mostrar para os pais que embora as filhas já usem batom e os sapatos das mães isso pode prejudicar”, afirma Letícia. É um amadurecimento precoce e distorcido, em que as meninas se imaginam já adultas e querem ter atidudes de adultos. Com isso acabam deixando de viver a magnitude e fantasia da fase infantil.

Outro ponto abordado é influência do salto alto no desenvolvimento da musculatura da criança. A apresentação do projeto está prevista para julho.

“As vezes os pais não se ligam mesmo que os filhos estão na frente da televisão sendo bombardeados de informações erradas”, finaliza.